terça-feira, 28 de setembro de 2010

Equipamentos: Headlamp Apex - Princeton Tec

Headlamp Apex, da Princeton Tec
A Petzl Duo original...
Depois de 10 anos de uso ininterrupto e em condições adversas - exposição à água e choques em atividades de canionismo, trekkings, acampamentos e velejadas - finalmente concedi aposentadoria à minha fiel lanterna Duo, da Petzl.

Este clássico equipamento, bem conhecido de montanhistas, espeleólogos e canionistas, já havia passado por um upgrade anos atrás com a substituição da lâmpada comum de filamento por um conjunto de leds, que a modernizou um pouco, incrementou a eficiência e diminuiu o consumo de energia.

O modelo Duo revolucionou as headlamps com algumas características que estabeleceram padrões de qualidade, alguns até hoje não equiparados pela concorrência. Assim um design extremamente diferenciado, resistência à choques e água até 5 metros de profundidade, sistema híbrido com duas lâmpadas para diferentes usos, sendo uma delas halógena de grande alcance, regulagem de foco, proteção para ativação involuntária do equipamento, lâmpadas reserva dentro do próprio corpo da lanterna e, até hoje não vi igual, uma rosca oval utilizada para possibilitar a abertura da proteção frontal e substituição das lâmpadas queimadas.

Todavia a tecnologia dos novas headlamps é implacável quando se trata de superar o desempenho das antigas lâmpadas de filamento. A minha velha Duo Petzl venceu a sua vida útil e chegou a hora de substituí-la por algo de desempenho e confiabilidade semelhantes. A fim de inovar, resolvi experimentar outra marca.

E o modelo com kit de leds...

Depois de uma boa pesquisa em sites, fóruns e blogs especializados, optei pelo modelo Apex, da Princeton Tec, composta por um conjunto de 5 leds, sendo um deles do tipo Maxbright, alimentada por quatro pilhas AA, compatível com as do tipo alcalina, lithium, e recarregaveis.

Uma das melhores referências encontrei numa postagem do excelente blog do Davi Marski sobre a "Evolução das Headlamps" e isto foi definitivo para a escolha do equipamento. Mesmo porque, o autor, assim como eu, também utilizou a Petzl Duo, inclusive com o mesmo kit de leds.

A estréia não poderia ter sido melhor, inaugurada e testada em plena Amazônia, em condições extremas de umidade, chuva e muita escuridão em ambiente de selva fechada. Cheguei a mergulhá-la propositalmente no Rio Juma durante uma navegada para focagem de jacarés a fim de comprovar a suas resistência à àgua na classe IPX7 (até 30 minutos sob um metro de água). Sinceramente, em meio à noite a Apex não ficou a perder para o holofote da lancha voadeira. Na ocasião comprovei a versatilidade no modo booster do foco em longo alcance - 130 Lumens - que certamente chegou aos 100 metros de alcance. Incrível se considerar que para tanto foi utilizado somente um led do tipo Maxbright!
Modelo Apex, da Princeton Tec
Depois, para confirmar o bom desempenho, outro teste sob muita chuva em um trekking no Parque Nacional da Serra Geral, Aparados da Serra/RS.

A lanterna está disponível nos padrões cinza, camuflado e larancha, e escolhi este último por ser de mais fácil visualização em ambientes outdoor. 

O modelo Apex Pro possui compartimento para bateria de lítio ao invés de pilhas alcalinas. Preferi a opção com pilhas em virtude da praticidade de encontrá-las em qualquer lugar. Dispõe, também, de quatro combinações de uso dos leds, cada uma com um nível diferente de iluminamento, incluindo um modo de segurança.Um circuito regulador de voltagem garante a luminosidade constante por um certo período, mesmo com as pilhas já em fase de desgaste, o que é bastante interessante.

Na minha avaliação foram considerados os principais aspectos:

Pontos positivos - potência e alcances de foco excepcionais (até 100 metros), economia, circuito regulador de voltagem, luz de aviso para localização da lanterna no escuro e indicação da carga da bateria/pilhas. No modo booster a sua potência pode chegar a incríveis 130 lumens, pelo menos o dobro das melhores headlamps disponíveis no mercado. E como principal: garantia por toda a vida pelo fabricante!

Pontos a melhorar: tamanho e peso um pouco excessivos, mesmo sendo um equipamento técnico de categoria profissional se comparada a outros modelos da concorrência. Em função disto, para uso em acampamento, quando não é necessária tanta eficiência de iluminamento, pode ser utilizada uma segunda lanterna menor, mais confortável e leve. E por último, nesta minha limitada lista de pontos a melhorar, como não poderia deixar de ser, o preço bastante salgado ao redor de R$ 650,00 reais no Brasil, enquanto a mesma headlamp varia em torno de U$ 90,00 no exterior. Com o dólar despencando e na data desta postagem quebrando níveis históricos com a cotação de R$ 1,61, a Apex poderia estar com custo bem mais acessível no mercado nacional.

Pontos para avaliação futura: A resistência e a durabilidade ficarão por conta do meu uso daqui para frente, quando postarei então minhas considerações.

Avaliação final: Considerando o balanço total, com franca vantagem para os aspectos positivos, meu conceito para o equipamento foi EXCELENTE!

Seguem abaixo as características técnicas da APEX segundo o fabricante:

Potência: 60 Lumens (130 no modo booster)
Lâmpadas: 1 led Maxibright de 3w (regulado) de alto desempenho e 4 leds Ultrabright (regulados)
Alcance do foco: 22 a 86 metros
Modos de uso: 4 níveis de iluminamento, incluindo modo de segurança
Duração da bateria: 150 horas
Pilhas: 4 AA Alcalinas, NiMH, NiCad ou 1.5V de lítio em compartimento separado
Peso: 279 g com as pilhas
Resistência: choques e água IPX7
Garantia: Lifetime

* - * - * - * - *


EM TEMPO: Pois é, minha avaliação do equipamento até que foi bem feita! Em novembro de 2010 a headlamp Apex foi escolhida como Equipamento do Ano 2010 pela Revista Go Outside, ratificando aí os comentários feitos nesta postagem. Mas o preço continua caro... Valor apontado pela revista: R$ 678,00.

Apex foi escolhida Equipamento do Ano 2010 pela Revista Go Outside

Nenhum comentário:

Postar um comentário