quarta-feira, 30 de março de 2011

Argentina/Montanhismo: Corpo de montanhista brasileiro desapareceu do local do acidente no Fitz Roy

Bernardo e o local onde foi deixado supostamente à morte no Fitz Roy.
Fonte: Eliseu Frechou/ESPN/Estadão

O corpo do montanhista brasileiro Bernardo Collares desapareceu do lugar onde supostamente teria falecido no Monte Fitz Roy, na Argentina, conforme noticiou nesta madrugada o escalador Eliseu Frechou, a partir de uma carta da mãe de Berna - Heliane Collares, postada no Facebook.

Será que de fato ele estava à beira da morte quando autoridades e resgatistas argentinos qualificaram como inútil a sua busca?

Bernardo teria tentado salvar-se sozinho depois de inutilmente esperar pelo socorro?

Mantenho este blog desde 1997 e em 4 anos a minha postagem mais acessada até hoje foi justamente aquela de 06/01/2011 na qual questionei - como tantos outros - a ausência de sequer uma tentativa de resgate de Collares em seguida ao seu acidente.

Argentina/Montanhismo: Bernardo Collares, onde está o resgate? Falecimento do montanhista ainda não foi confirmado.

A mesma indação já havia feito no mesmíssimo dia em que a notícia circulou dentre os montanhistas ao inserir o primeiro post sobre o acidente aqui no Terra Australis, lembrando de casos referenciais de auto-resgate em situações extremas como Beck Weathers no Everest e Joe Simpson nos Andes, desejando que o mesmo pudesse acontecer ao escalador brasileiro.

Argentina: Montanhismo brasileiro perde Bernardo Collares no Fitz Roy

A manifestação da família de Bernardo diz tudo e nos faz imaginar um final ainda mais dramático para esta triste história. Agora é aguardar a reabertura do processo de investigação que está sendo solicitado aos meios diplomáticos do Itamaraty.

Confiram abaixo o a carta de Heliane Collares noticiada por Eliseu Frechou no Estadão Online/ESPN (confira a matéria AQUI):
"Após todo o sofrimento pelas tentativas frustradas de salvar o Bernardo, após tantos "nãos" para nossos apelos pelo resgate, recebemos a notícia de que o corpo do MEU FILHO não se encontra no local onde sua parceira o deixou VIVO, em 03/1/11.

Fotos tiradas em fevereiro constataram que, no local, só permanecem algumas barras de cereal, uma corda (identificada pela Kika como sendo a da ancoragem de Bernardo), o cantil, um bujão de gás para fogareiro, um stopper,uma piqueta e um par de sapatilhas de escalada.

Inexplicável!

Várias indagações podem ser feitas a partir desse fato.

Será que o estado de saúde de Bernardo não era tão ruim quanto as previsões pessimistas que o condenaram, e ele arrumou a mochila, abandonando alguns itens, tentando salvar-se, ante a demora do resgate, tendo queda fatal em outro lugar? Quanto tempo ele esperou? O que sofreu?

Será que saqueadores estiveram lá (onde nos diziam que ninguém conseguiria ir para ajudá-lo), levando o que tinha valor e empurrando o corpo no precipício?

Como, após tantos dias, barras de cereal permaneceram num lugar em que nos falaram de terríveis ventos que inviabilizavam vôos de helicópteros?

Como nos propusemos a falar somente do que podemos provar aqui nos limitamos a lançar as interrogações, que permanecem como facas nos nossos corações.

As fotos foram encaminhadas ao Itamaraty, com requerimento no sentido de que se reabra processo judicial que tramitou na Argentina, com novas investigações e resgate do corpo. Na carta, informamos, ainda, que, pelas informações preliminares recebidas dos montanhistas locais, o corpo deve se encontrar no glaciar, a 1000 metros abaixo, próximo à "grande canaleta", em local que pode ser atingido inclusive sem escalada e onde foram resgatadas duas pessoas no ano passado.

E agora, aqueles que nos falaram com tanta certeza de que Bernardo morrera nas primeiras horas do acidente, de hipotermia, teriam as respostas de que nós precisamos para dormir em paz?

E eles, será que têm a consciência livre da culpa por seu amadorismo ter concorrido para a morte de uma pessoa?

Heliane Damiano Collares (mãe do Bernardo)"

CONFIRA A COBERTURA COMPLETA FEITA PELO TERRA AUSTRALIS:
- 05/01/2011 - Argentina: Montanhismo brasileiro perde Bernardo Collares no Fitz Roy
- 06/01/2011 - Argentina/Montanhismo: Bernardo Collares, onde está o resgate? Falecimento do montanhista ainda não foi confirmado
- 07/01/2011 - Argentina/Montanhismo: Comunicado da FEMERJ sobre o acidente no Fitz Roy
- 07/01/2011- Argentina/Montanhismo: Condições de risco não permitem resgate no Fitz Roy
- 08/01/2011 - Argentina/Montanhismo: Resgate aguarda melhora do clima para busca de Bernardo
- 09/01/2011 - Argentina/Montanhismo: Autoridades poderão deixar andinista brasileiro na montanha
- 10/01/2011 - Argentina/Montanhismo: Fim da polêmica, família decide e Bernardo ficará no Fitz Roy
- 11/01/2011 - Montanhismo: Escaladores convocam homenagem a Bernardo Collares no próximo dia 15 no Rio de Janeiro
- 14/01/2011 - Montanhismo: Acidente no Fitz Roy. Um ponto final
- 16/01/2011 - Montanhismo: Escalada coletiva cobre a Urca em homenagem a Bernardo Collares
- 22/01/2011 - Escaladora relata com detalhes acidente na Patagônia

quarta-feira, 23 de março de 2011

Vela: Porto Alegre, berço de navegantes

Regata Cidade de Porto Alegre - 20 de abril de 2011

No final de semana de 19 e 20 deste mês acompanhei como fotógrafo as gravações do Programa Adrenalina tendo como tema a vela no Rio Grande do Sul, especificamente em Porto Alegre.

Pouquíssima gente sabe - inclusive e vergonhosamente os próprios portoalegrenses - que a sua cidade é um dos principais pólos de formação de velejadores no Brasil e no mundo em função dos investimentos e incentivos privados feitos pelos clubes náuticos.

São três os principais: Clube dos Jangadeiros, Veleiros do SulIate Clube Guaíba, todos eles, por curiosidade, fundados por uma mesma pessoa - Leopoldo Gayer.

A formação de velejadores está disponível para qualquer pessoa, em qualquer condição física e idade, a partir dos 4 anos. É um mito pensar que a vela como esporte e atividade de lazer é algo que vem de tradição familiar ou profissão. Muito pelo contrário!

Algumas escolas se destacam de forma muito especial como a Barra Limpa (Jangadeiros) e a Minuano (Veleiros do Sul), sendo que seus cursos não ficam restritos aos associados mas também são abertos ao público.

As condições climáticas do sul, em especial durante o inverno, também são importantes para o preparo de velejadores de águas nacionais e internacionais, principalmente aqueles de longo curso como André Fonseca, o Bochecha, que inclusive tripulou o Brasil 1 na Ocean Volvo Race ao redor do mundo sob o comando de Torben Grael.

Na minha formação náutica tive oportunidade de frequentar ambos os centros de instrução, tendo seguido os cursos básicos e a habilitação de Arrais Amador no Veleiros do Sul e as especializações como Mestre e Capitão Amador no Clube dos Jangadeiros.

Por este e outros motivos como a estrutura impecável disponível e uma já longa tradição marinheira Porto Alegre tem recebido competições internacionais de caráter mundial, sendo uma das sedes de treinamento da equipe olímpica brasileira, no Clube dos Jangadeiros.

No documentário do Programa Adrenalina que irá ao ar no segundo semestre deste ano no Canal Futura e na Globo Internacional será dado um enfoque aos dois grandes ramos da vela: a de cruzeiro e a de competição. Assim, no sábado acompanhei uma belíssima velejada pelas águas da Ponta Grossa, no Rio Guaíba, acompanhando o Comandante João Baptista Beck Pinto, o Tita, comandante do veleiro Delta 36 Arraia Manta, junto com o respeitadíssimo velejador Ricardo Secco Hofmeister, o Ferrugem.

No domingo, já em clima de competição, participei da XVII Copa Cidade de Porto Alegre no Manatee, um veleiro de 35 pés do Comandante Roberto Bins Ely e que já pertenceu, inclusive, à célebre Família Schurmann. Da competição participaram 42 barcos da classe oceano e 160 velejadores em um lindo dia com vento predominate sul na média de 13 nós.

Curtam aí algumas imagens do magnífico final de semana!

Velejando em cruzeiro no Arraia Manta, do Comandante João Baptista Beck Pinto...

O Arraia Manta rumo à Ponta Grossa - Rio Guaíba - Porto Alegre
Equipe de gravações do Adrenalina recebeu apoio dos clubes náuticos Veleiros do Sul e Jangadeiros
Léo Sassen fazendo as tomadas subaquáticas com a câmera GoPro
O sempre belo entardecer no Rio Guaíba
Velejando no Manatee do Comandante Roberto Bins, na XVII Copa Cidade de Porto Alegre (veja os resultados da competição AQUI) ...
















Grandes emoções e muito espírito competitivo à bordo do Manatee. Quem pensa que velejar é moleza está redondamente enganado...

Navio cargueiro passa rente ao Manatee durante a XVII Copa Cidade de Porto Alegre




 


A final da competição é dar entrevistas e esperar a merecida premiação....

Comandante Roberto Bins Ely, do Manatee, 3º lugar na regata em solitário
A tripulação do Manatte com Ana Karina Belegantt, do Adrenalina
André "Bochecha" Fonseca, Ana Karina e Francisco "Chico" Freitas, Vice-Comodoro Esportivo
do Clube dos Jangadeiros
A equipe do Adrenalina: Léo, Débora, Ana Karina e, ao fundo, Ângelo
  
Pôr-do-sol no Rio Guaíba a partir da  ilha do Clube dos Jangadeiros
 IMAGENS: Utilizei uma câmera Canon EOS-1D Mk II e conjunto de lentes de 17 a 400 mm. Direitos reservados para o autor.

domingo, 20 de março de 2011

Vela/Fotografia: A lua da minha cidade


Pois é... Anunciaram que a lua da noite de 19 de março, ontem, seria a maior dos últimos 18 anos e que outra assim somente daqui a outros 21...

Mais próxima da Terra, a lua seria visível 14% maior e 33% mais brilhante.

Quando a lua cheia nasceu ontem a noite estava eu navegando no Rio Guaíba, ao largo da Ponta Grossa, extremo sul de Porto Alegre, a minha cidade...

Se a lua de fato estava assim tão mais linda, não sei.

Eu, marinheiro cativo das líquidas planuras, há muito aprendi que quanto mais longe da luminescência urbana, mais lindas e brilhantes são as estrelas e a sua rainha maior.

O pôr-do-sol de Porto Alegre já possui a barrista fama de ser o mais lindo do mundo. Agora parece que o nascer da lua também não fica muito atrás.

Digam aí vocês se isto é mesmo verdade...



FOTOGRAFIA: Imagens captadas às 19h40 do dia 19 de março de 2011, a partir do veleiro Arraia Manta, no Rio Guaíba, Porto Alegre/RS. Câmera Canon EOS 1D e lente zoom em comprimento focal 400 mm, ISO 400, exposição 1/250 e f/5,6.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Vôo Livre: No Ninho das Águias II - A tribo do ar


Durante o Campeonato Gaúcho de Paraglider no Ninho das Águias, no último final de semana em Nova Petrópolis/RS, a quantidade de imagens captadas foi tamanha que faltou espaço na postagem que fiz.

Então, na sequencia, disponibizo aqui mais uma série de fotos do evento.


COMPETIDORES E STAFF...





  


 

















 



... O PÚBLICO...


















...E ALGUÉM DUVIDA DE QUE GAÚCHO GOSTA DE CHIMARRÃO?






 
 


IMAGENS:

Para as fotografias desta postagem utilizei uma câmera Canon EOS-1D MKII e kit de lentes de 17 a 400 mm. Todos os direitos reservados para texto e fotos. Proibida reprodução desautorizada.