sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Ecologia: ONU declara 2011 o Ano Internacional das Florestas


Por meio da sua Resolução 61/193 a Assembléia Geral das Nações Unidas declarou 2011 como o Ano Internacional das Florestas, a fim de celebrar e estimular ações de conservação, desenvolvimento e manejo sustentável das florestas do mundo.

João Paulo Lucena. Região do Rio Juma - Amazônia - Foto: Ana Karina Belegantt 2010

Rio Juma - Amazônia. Foto: João Paulo Lucena 2010

Léo Sassen e João Paulo Lucena. Região do Rio Juma - Amazônia - Foto: Ana Karina Belegantt 2010

Clique AQUI para mais informações diretamento do site especial da ONU para este projeto.



segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Skate: Vans Tour - Dream team do skate mundial visita Porto Alegre!

Foto: divulgação

A convite do BanX e da Swell estive conferindo no último dia 13 uma visita histórica a Porto Alegre, quando alguns dos maiores skateboarders do mundo - ninguém menos do que Christian Hosoi, Steve Caballero, Omar Hassan, Alex Perelson, Josh Borden e Jeff Grosso - fizeram vibrar a galera e mostraram porque são considerados alguns dos verdadeiros ícones do skate mundial.

Esta foi uma session especial para convidados, imprensa e lojistas e marcou presença em uma nova proposta de espaço para skatistas em Porto Alegre, unindo uma pista de alta qualidade com bar, loja e um confortável local de convivência e integração para os aficcionados do esporte.

Além dos visitantes especiais outros convidados também puderam mostrar no BanX as suas habilidades...









Todas as fotos acima: João Paulo Lucena

A equipe internacional da Vans  esteve em uma tour exclusivíssima no Brasil entre os dias 13 e 19 de dezembro, passando não só pelo Banx, mas também e pelo Swell Skate Camp em Viamão, no Rio Grande do Sul, e pelo RTMF, em Santa Catarina.

Apesar da agenda restrita os visitantes deram uma canja na pista pública de skate do Parque Marinha do Brasil , quando se integraram à turma presente e deixaram boquiabertos alguns skatistas que de um momento para o outro se viram ao lado de caras como Steve Caballero, Jeff Grosso, Omar Hassan, Pedrinho Barros e Josh Borden.

Meu amigo Josué Menezes que estava lá documentou a parada e fez um relato bem bacana para a Skate Online. Confira AQUI!

Josh Borden - BS Nose Pick - Bowl do Marinha - Foto Josué Menezes
Steve Caballero - FS Air na Snake do Marinha - Foto Josué Menezes
Steve Caballero e Josué Menezes no bowl do Parque Marinha do Brasil - Porto Alegre
Jeff Grosso - FS Air na Snake do Marinha - Foto Josué Menezes
Gosta de skate? Sabe o que é mountainboard? Então veja AQUI a galera desafiando a gravidade na etapa 2010 do campeonato brasileiro de mountainboard no Swell Skate Camp no último mês de abril.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Cinema/Ski/Montanhismo: All.I.Can estréia em 2011



The Sherpas - Campo-base no Marrocos
  Recebi do meu amigo Josué Menezes, skatista e snowboarder da velha escola, uma imperdível dica de filme de montanha: All.I.Can, produzido durante dois anos por The Sherpas e com lançamento previsto para 2011.

O filme aglutina a paixão pelo montanhismo e o ski com o seu potencial para colaborar com a preservação do meio ambiente, clamando pela inspiração de cada para que faça tudo o que for possível (daí a expressão All I Can), mesmo que começando com um pequeno passo, mas na direção certa.

Dave Mossop filma na cratera do vulcão Puyehue, no Chile. Foto: divulgação
A direção é dos multipremiados Dave Mossop e Eric Crosland, com locações no Chile, Marrocos, Alaska e Canadá, contando com a presença dos esquiadoras Kye Petersen, Mark Abma, Eric Hjorleifson, JP Auclair, James Heim, Chris Rubens, Mike Douglas, Dana Flahr, Rory Bushfield, Ian McIntosh, Lynsey Dyer, Alexi Godbout, Matty Richard, Chad Sayers e outros.

Um verdadeiro sucesso com 200 mil visualizações no Vimeo, o trailer do filme dura 6 min12 s e é simplesmente sensacional!

Confiram abaixo!
 

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Fotografia: The Digital Camera Photographer of the Year 2010

A foto vencedora "Exit Wave", de John Wright

A incrível imagem acima foi a vencedora do prêmio de melhor fotografia digital de 2010, concedido pelo concurso The Digital Camera Photographer of the Year 2010, superando outras 114 mil (!) concorrentes.

Organizado anualmente pela publicação inglesa Digital Camera, a competição, uma das maiores do mundo, é aberta para fotógrafos profissionais e amadores que enviam suas fotos para concorrer às melhores do ano em 10 categorias diferentes.

Jon Wright foi o grande vencedor de 2010 com a imagem submarina de um bodyboarder mergulhando em uma manobra de saída de onda, captada na praia de Duranbah, Australia, fazendo jus ao prêmio de 10 mil libras e equipamentos fotográficos.

Wright, de apenas 24 anos e que somente há 3 anos passou a fotografar, explica como captou a imagem premiada:

"Quando a sequência de ondas se aproximava, eu prendia a respiração e mergulhava fundo, abrindo meus olhos embaixo da água para me colocar na posição perfeita. Fotografar continuamente em alta velocidade me possibilitou escolher a foto perfeita."

Visitando a galeria dos demais vencedores de 2010, reproduzo para vocês algumas das minhas preferidas.

Wildlife Winner: Ci Luk Baaaa by Andiyan Lutfi (Indonesia). "Taken in my garden house with a Canon 100mm f/2.8 macro lens"

Wildlife - 2nd place: Movement of Life by Buchachon Petthanya (Thailand). "Many, many butterflies, some moving, some standing"

Creative Licence Winner: Jump by Wayne Lawes (UK). "Only one shot was taken..."

Travel Winner: Journey of Ocean Life by Kamarulzaman Russali (Malaysia). "The moment a young boy jumps from a boat onto a little island"

Landscapes Winner: Roker Pier by Jeff Vyse (UK), 1st place - Landscapes. "A shot I had planned for a while, just waiting on the right clouds and light"


quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Música: 30 anos sem Lennon!


Dias atrás escrevi aqui da minha alegria em ver Paul McCartney apresentando aquele que foi considerado o melhor show de todos os tempos em Porto Alegre.

Naquele texto lembrei do dia 8 de agosto de 1980, quando escutei pelo rádio, incrédulo, a notícia do absurdo assassinato de Jonh Lennon em uma calçada de Nova Iorque, em frente ao Edifício Dakota onde morava com Yoko Ono.

Enquanto a notícia se espalhava algumas rádios tocavam Give Peace a Chance, Happy Xmas (War is Over) e Imagine ininterruptamente...



Embora Lennon não tivesse vinculação religiosa, em Porto Alegre alguns fãs mandaram rezar uma missa na Igreja Menino Deus, amplamente anunciada na imprensa.

E eu, ainda garoto e incondicional fã dos Beatles, em um final de tarde chuvoso fui conferir aquela enorme reunião de representantes de todas as tribos e idades, gente ligada à música ou não, inclusive de outras fés que não a católica, reunidos em uma tocante e sincera homenagem a Jonh Lennon que três décadas depois ainda guardo na memória.

Hoje não posso deixar de registrar a de registrar os 30 anos do seu desaparecimento.

Quando manifestações em homenagem a Jonh Lennon se reproduzem em escala cúbica pelo mundo inteiro, fico com duas de suas grandes composições: Stand by Me e, não poderia ser diferente, Imagine, esta última em uma performance com Yoko Ono na Madison Square Garden, NY, em 1972.


domingo, 28 de novembro de 2010

Cadernos Amazônicos: Tree Climbing - Você já escalou uma Samaúma?

A enorme samaúma se destaca sobre a copa das árvores da Floresta Amazônica.

Dentre as várias versões que correm por aí sobre a origem da escalada em árvore como atividade esportiva independente, uma delas relata que teria se originado em 1995 a partir das técnicas desenvolvidas para observação de epífitas (bromélias, orquídeas, etc.), dentro do Projeto Plantas Aéreas do Amazonas, patrocinado pelo governo estadual do Amazonas.

Não que subir em uma árvore seja uma suposta descoberta contemporânea, quanto mais quando se sabe que o homem partilha, junto com o macaco, de um ancestral comum...

Todavia, não se trata aqui de subir na ameixeira do quintal da sua avó, mas talvez de uma sequóia gigante, ou de uma samaúma amazônica com o topo da copa a 70 metros acima do solo, isto sim exigindo muita técnica, equipamento adequado e uma boa dose de força e disposição!

Ascender sobre a copa de todas as demais árvores, o que se conhece por dossel, especialmente em uma floresta tropical como a Amazônia, é entrar em um mundo à parte, repleto de seres adaptados à vida nas alturas, sendo que boa parte deles jamais tocará o solo a dezenas e dezenas de metros abaixo.

Fonte de inspiração, base de observação de fauna e flora, pesquisa de novas espécies, aventura ou simplesmente fuga do stress é o que faz um crescente número de pessoas compartilhar a incrível experiência de escalar um gigantesco ser vivo, em alguns casos com centenas de anos e uma altura superior a um edifício de 20 andares!

Embora já tivesse experimentado escalada em rocha e gelo, foi em uma autêntica samaúma amazônica que estreei na especialíssma técnica de escalada em árvores, desta vez na condição de fotógrafo integrante da equipe do Programa Adrenalina durante as gravações da temporada de 2010.

Acompanhados por Eduardo Cunha e Fabiano Moraes, da Amazon Tree Climbing, navegamos em uma lancha voadeira por mais de duas horas a partir do alojamento de selva Juma Lodge, atravessando igarapés e igapós em busca da samaúma perfeita, às margens de um dos seus afluentes do Rio Juma, em plena floresta amazônica.

Somente para chegar até a samaúma o viagem de voadeira foi uma atração à parte.

A samaúma é uma árvore frondosa, pertencente às famílias bombacáceas e a escolhida para a nossa escalada, com pelo menos 400 anos de idade, atingia a incrível altura de 70 metros (!), a mais alta de todas as árvores naquele setor da floresta amazônica.

A samaúma que escalamos com o topo da copa a 70 metro acima do solo da floresta, equivalente a um prédio de 20 andares.

Os galhos principais, objetivo da escalada, a uma altura de 50 m.
É comum que se destaque em meio à copa média das árvores, o dossel, superando inclusive a altura das castanheiras. A sua copa cobre enorme extensão, diretamente proporcional ao perímetro pelos quais se espalham as poderosas raízes tubulares em forma de sapopema que entranham  no solo da floresta, algumas vezes atingindo até mesmo o próprio lençol freático.

As incríveis raízes tubulares da samaúma, também chamadas de sapopema.
Localizada a árvore, a escalada iniciou com a montagem dos sistemas de ascenção. Para fixação das cordas a equipe da Amazon Tree Climbing desenvolveu uma espécie de atiradeira, com a qual é lançada por cima dos galhos principais uma linha mais fina, utilizada depois para puxar para as cordas mais pesadas usadas na escalada.


Há necessidade de utilização de equipamento técnico de escalada, alguns bem conhecidos como capacetes, luvas, estribos, mosquetões, freios, ascensores e descensores. Outros, nem tanto, pois adaptados para a atividade em árvores, assim como as cadeirinhas especialmente desenhadas para maior conforto e as combinações de linhas e pesos para montagem dos sistemas de ancoragem e corrimões no topo da árvore.

Acompanhada de guias habilitados qualquer pessoa pode escalar uma árvore uma vez que, durante o percurso da subida, se utiliza basicamente a força das pernas, sendo possível descansar o tempo que for necessário durante a ascenção.

Equipamento individual de escalada em árvore.
Observar a copa das árvores de baixo para cima também é uma experiência relaxante, em especial sob o calor sufocante 40º C em meio a uma rainforest... Foto: Ana Karina Belegantt

Fixadas as cordas do sistema de ascenção, começa a escalada de 50 metros até os galhos principais.

Aos poucos a turma vai chegando... Léo Sassen direto na atividade!
 
Montando os sistemas de passagem entre os galhos da copa...


Para a escalada são usadas combinações de ascensores e estribos, utilizando-se em essência a força das pernas.

A equipe de produção também se esforça. A fundo, no rio, os câmeras do Programa Adrenalina.

Luca Silveira, o multi-cameraman do Adrenalina.

E os guias da Amazon Tree Climbing, Fabiano e...

...Eduardo, em meio ao jardim suspenso de epífitas na copa da samaúma.

Ana Karina Belegantt 50 metros acima do solo da floresta. Só resta curtir a paisagem...



Ana Karina e o autor deste blog...

* - * - * - * - *


NATIONAL GEOGRAPHIC: Em outubro de 2009 a edição 115 da revista National Geographic publicou uma interessantíssima matéria sobre as sequoias, tendo como título de capa Terra de Gigantes, cuja íntegra pode ser lida AQUI. No caso a árvore escolhida para ser escalada foi uma sequóia gigantesca, cuja fotografia integral exigiu o desenvolvimento de uma técnica especial para a captação das imagens em estágios e posterior montagem dos fotogramas.
 
COMENTÁRIO FOTOGRÁFICOS: Encontrei duas grandes dificuldades para fotografar na floresta amazônica. A primeira foi o permanente desafio para equilibrar a fotometria em função do enorme contraste claro-escuro,  decorrente do jogo de sombra e sol tropical dentro da mata.

A segunda, sem solução aparente, foi o embaçamento das lentes, fruto da umidade da floresta e das constantes variações de temperatura, consequencia das tempestades tropicais que entremeavam nossas atividades durante todos os dias em que estivemos na Amazônia.

Vou perguntar ao Rodrigo Baleia qual é o "pulo do gato" para proteger o equipamento da umidade...

IMAGENS: Todas as imagens foram captadas utilizando-se uma Canon EOS-1D Mk II e conjuntos de lentes da mesma marca. © 2010 João Paulo Lucena.